quarta-feira, maio 31, 2006

Ofensas (1)

Em mil novecentos e oitenta e dois disse-lhe, já não me lembro por que razão, que lhe queria emprestar o "Escuta, Zé Ninguém!" de Wilhelm Reich. Ela recusou dizendo que não se sentia o público alvo do livro.
Ikivuku

4 comentários:

romã disse...

Eu li esse livro quando era adolescente. Marcou-me imenso. E depois, houve uma coincidência. Um dia, ia a passar de carro numa rua perto das avenidas novas e vi um café, fechado, com um homem pedinte a dormir à porta. O café chamava-se (não sei se ainda existe) Zé Ninguém. Quis parar, mas quem me guiava prosseguiu a viagem. Na altura, se houvesse telemóveis teria registado o momento e o acaso perfeito.

MRF disse...

pois eu sinto-me cada vez mais Zé Ninguém, e esse devia ser um livrinho obrigatório, sobretudo em época de eleições!

Damelum disse...

Eu não li. Vou ler.
É tremenda essa imagens, "Ofensas 1". Uma verdadeira ofensa não explícita ou indentificável pelo outro mas marcante, muito.

Damelum disse...

essa imagem, claro